Páginas

segunda-feira, 12 de dezembro de 2005

Vôos extraordinários

Descendo executo
um vôo rasante ao solo.
uma estagnação exata, obrigada.

Com a ajuda do ar, paro
e pouso.
Ao alto, vejo outros como eu.

Que como eu voam,
assim como eu voava.
Mas, agora caminho.

Do mesmo ar que me alimenta,
o usava para me sustentar.
A união certa falhou!

Confesso que me recordo
da visão periférica que tinha
ao olhar lá do alto.

Mas estou feliz
por trocar de condições.
Hoje sou mais livre!

Vivo à beira de passadas incertas
em busca de
uma história misteriosa.

Incentivos

Às vezes só o que falta
é um incentivo.

Apenas um toque,
um empurrãozinho.

Para desfazer o estado inerte,
seja parando ou acelerando.

Em sua vida pode ser
que isso seja apenas o que basta

para acordar o espírito
e fazer com que nada seja sempre a mesma coisa.

Transformando o seu ser
por completo,

deixando-o surpreso e o fazendo
surpreender-se.

Mudanças

São necessárias,
aquele que não atende
a essa ordem natural
não sofre as mutações.

Mutações que não são aplicadas,
não ajudam a manter
o princípio prático
e único.

Cada um muda,
todos mudam,
a não ser aqueles
que não querem mudar.

A esses resta
o modelo,
o modelo de vida
entranhado em cada lar,
em todos os lares
que não querem mudar.

Mudanças imutáveis

Observo uma busca,
uma procura.
Todos estão loucos, alucinados
por um estado normal, comum.
A padronização das máquinas
agora invade a mente,
As ações e aparências.

Sinto saudade
das histórias que eu não vivi.
Dos tempos em que a personalidade
predominava.
Não sou o protagonista
de tais histórias
que são repassadas.

Sinto falta
das épocas que ninguém viveu,
das épocas que eram em si
improvisadas.
Onde a energia não era
a idéia que move o mundo
e o escraviza.

Sinto pena
da tinta recém-inventada
que registrará os próximos tempos
já manchados com os antigos,
que a faxina
não quer tirar, mas ao contrário
O mancha mais.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2005

Naninha

Menina, era só você o que faltava
para abrir meus olhos por inteiro e, ainda,
ajeitar minha visão do que estava ao redor.

Até antes de conhecer-te,
achava que eu vivia bem,
mas depois que entrou em minha vida
não entendo como viver longe de você.

Você me completa.
Nossos pensamentos são próximos.
Nunca tive uma conversa tão interessante
como tenho com você.

Sua personalidade é aconchegante
ao mesmo tempo um tanto rude.
o que, ao menos para mim,
a deixa ainda mais interessante.

Tal foi sua influência que
hoje chamamo-nos irmãos.
Essa condição me conforta,
traz-me uma sensação recíproca.

Reciprocidade. A palavra perfeita
para dar-me a certeza
de que é para mim
o que sou para ti.

Menos de um ano se passou,
o que me traz pena.
Pena de ter passado tão pouco tempo
perto de ti.

Talvez não saiba,
mas cotidianamente conseguiu
conturbar alguns valores meus ditos como certos
melhorando-me mais ainda.

Foi, é, está sendo e eu espero que seja para sempre.
Uma vez que sua companhia se mostra imprescindível,
coloco-me, audaciosamente, como exigente de uma promessa:
que não saia da minha vida enquanto vivermos.

Uma vez que você é imprescindível para
manter minha mente lúcida e minha existência a salvo,
meu inconsciente insistiu e eu não resisti em
escrever-lhe esta pequena retrospectiva, milhares de vezes já refletida.

Refletida em meu caráter
e meus novos hábitos, o que
me garante a certeza irrefutável de que
eu amo você

domingo, 16 de outubro de 2005

Noite e dia

Dia e noite:
tempo!
durante algum tempo mudanças acontecem.
Pode amanhecer radiante e
Um momento depois fechar e derramar-se.
Durante um dia podemos observar;
Sol, nuvem, chuva, arco-íris...
Tudo em apenas um dia,
em um intervalo de tempo.
Mas isso tudo pode ocorrer junto, ao mesmo tempo.

Uma vida significa um dia.
Que pode decidir seu início ou seu fim
e até os dois juntos, ao mesmo tempo.

sábado, 15 de outubro de 2005

Futilidades

Futilidades são fúteis,
são pensamentos sem base,
são piores do que pensamentos sem porquês.

Que não leve a sério as ciências,
tudo bem,
só não as desconsidere!

Pular, dançar, gritar, ver e cantar,
todos gostamos e praticamos isso,
só que com uma dosagem pré-estabelecida.

Todo o modo de vida vivido hoje
deriva de descobertas anteriores,
que derivam de atos inesperados ou premeditados!

Significaram o tempo perdido de outros,
em favor de melhora e significado
ainda não descobertos.

O fútil não é o pensar só em si
Mas sim ignorar todo o resto!
É pensar sofisticadamente na forma mais simples que há!

segunda-feira, 10 de outubro de 2005

Valor

Passamos a dar valor depois de perdermos.
Mas não precisamos perder para dar valor.
Valor não se encarna naquilo que se vende
de tal forma que não é preciso ceder para receber!

Todas as experiências têm seu valor,
sejam elas boas ou ruins.
Como vêm e vão
enquanto eu viver darei valor.

Tudo tem seu valor,
seja muito ou pouco,
mas nunca
melhor ou pior.

Mas não temos feito assim.
Não damos o valor necessário,
e depois punimos
por quererem retirá-lo.

Aí caímos em desespero
e contradição.
Querendo decidir uma alternativa
que não trará solução.

A escolha está aqui
diante de todos.
É só prestarmos um pouco mais
de atenção aos valores em questão.

Falta apenas dar valor aos valores que produzimos

quinta-feira, 22 de setembro de 2005

Ilusões

Somos tão pequenos,
tão minúsculos.
Insignificantes.

Sentimo-nos tão grandes,
tão indestrutíveis,
cheios de saber.

Vivemos apenas sob ilusões.
Sob olhares que acreditam saberem mais de nós.
Sob julgamentos tolos e premeditados.

quarta-feira, 21 de setembro de 2005

Marginal

Sou marginal,
estou sempre destacado,
sempre sou inferiorizado.
Apenas por ser diferente.

E sendo diferente
vou ficando para trás
longe do que se chama de uma vida social.

Ao menos eu tento me entender
e não fugir de mim
como fazem comigo.
É sozinho que me sinto acompanhado.

Alguém sincero me ajuda
e me estende a mão.
Hoje somos amigos.

Somente eu consigo vê-lo,
todos notam uma felicidade em mim,
interrogam o porque, querem saber o motivo.
E eu respondo: Deus.

segunda-feira, 30 de maio de 2005

Justiça

Sonho.
Sonho que de sincero pode realizar-se.
Como?
Rabiscos.
Rabiscos que unidos formam uma língua,
que de contrastes toma forma
e de pedaços se incorpora inteira.

Mas de divulgada difundiu-se
e então os valores se inverteram,
daí o sonho tornou-se pesadelo.

Resgates são tentados diariamente,
mas as cordas usadas, de tão sabotadas, entregam-se
e eis que volta a tornar-se sonho.

Que dessa vez é sempre interrompido
no momento em que é aceita: realidade.
Mas um sonho substitui outro...

Daí surgem os artistas,
que com suas artes expõem
o que a justiça ameaçada não se preocupa em entender.

Em especial se fez na escrita
onde suas histórias espelham
suas falhas e conceitos.

Desde traços sem sentido
até planos mirabolantes.
Assim se faz poesia.

No poema é onde se alcança justiça plena,
é onde se cria novas maneiras,
mesmo que de sonho nada ultrapasse.

sexta-feira, 27 de maio de 2005

Dias

O despertador toca
e a noite se faz em dia
e com ele a promessa de mudança.

Levanto-me, vou ao banheiro,
escovo os dentes e arrumo o cabelo,
troco de roupa e preparo um café.

Saio de casa, tomo o ônibus,
vou ao colégio, começa a primeira aula,
e a promessa se distancia.

Bate o sinal,
o intervalo se inicia,
com ele o descanso e a promessa de alegria.

O sinal torna a bater
e nova aula toma forma,
apresenta conteúdo.

Pela última vez o sinal se faz presente no dia,
eis que surge novidade,
um protesto se aproxima!

De pequena importância,
afasta-se de novidade
e toma forma monótona como foram tantos outros.

Vou para casa,
tomo o ônibus e em seguida o metrô,
de tão cansado aceito humilde o lugar ao chão.

Penso no dia e nesse ponto
a promessa toma forma de um ponto
e se apaga.

Chego em casa,
ouço música,
termino os deveres trazidos do colégio.

O sol se põe
e a lua se faz presente
e o sono me incorpora.

Arrumo tudo conforme a disposição,
tomo um banho,
recolho-me.

O sono toma conta até que
novamente o despertador toca
e se engrandece novamente a promessa de mudança.

sábado, 21 de maio de 2005

O que se entende por sofrer?

Sofrer é entender que não sabe.
Sofrer é desatar-se da união.
Sofrer é viver morrendo.
Sofrer é estar certo do erro.
Sofrer é sol anoitecendo.
Sofrer é aceitar-se inferior.
Sofrer é menosprezar-se por prazer.
Sofrer é estar vivo!

Como é o não sofrer?

É saber que pode entender.
É unir-se ao que desapareceu.
É morrer de tanto viver.
É errar por estar certo.
É noite ensolarada.
É superar-se inconsciente.
É obrigar-se a melhorar.
É viver!

quinta-feira, 5 de maio de 2005

O tempo

No meu tempo havia mais vergonha.
No meu tempo havia mais respeito.
O meu tempo passou
e perdeu seu valor.
O que antes lutara para abolir,
hoje desejo que volte a existir.

Porque vi. Vi minha base ruir.
Vi o pensamento tornar-se senso.
Vi a luta se destruir e se auto-consumir.

Para tudo eu vivi, e senti.
Presenciei o ódio nos olhos dos oprimidos
e o medo, nos iludidos.
E então tudo mudou
e os inversos se inverteram.

Hoje receio nada ver,
receio uma ação que não tenha reação.
Receio uma partida sem despedida.

Mas um pensamento me acalma,
pode ser só mais uma etapa
da mudança silenciosa e rápida
que o tempo insiste em apressar
e não me deixa acalmar.

domingo, 1 de maio de 2005

Tudo o que fiz

Tudo isso eu fiz:

Engatinhei para poder andar,
usei colher para aprender a usar o garfo,
concluí o jardim para chegar ao CA.

Caí para voltar a andar,
abri os olhos para poder enxergar,
ouvi para poder falar,
dormi para poder acordar,
saí para poder chegar.

Fui para poder voltar,
fiquei sujo para poder me lavar,
deitei para poder me lavar,
li para poder escrever.

Sumi para então aparecer
e me contraí para poder me exprimir,
discuti para poder conversar.

De todas essas evoluções conclui que
nem todos passaram por elas,
outros as inventaram.

Mas alguns poucos avançaram,
mesmo tropeçando se projetaram
e caíram, mas caíram um passo a frente.
Levantaram-se e, felizes, continuaram a andar.
Porque tiveram de superar o desafio da dor
para aprender que naquele local tinha um obstáculo,
que por ser ignorado se fez presente.

E chamou a atenção para outros tantos obstáculos
que, desta vez, serão vistos e ultrapassados.

Assim evolui o sábio,
que dos conhecimentos mais inúteis
extrai a essência para avançar com mais atenção,
induzindo o acerto através do aviso do erro.

sábado, 30 de abril de 2005

Só encontro em você

Procuro uma vida perfeita
e se não encontro chego o mais próximo possível.

Procuro uma janela aberta
porque se encontrar a porta fechada posso entrar por ela.

Procuro uma chance de vida
porque só encontro formas de fantasia.

Procuro uma ilha só minha,
mas só encontro multidões de vigia.

Procuro uma experiência que me revele respostas certas
para que eu possa caminhar sem medo de tropeçar.

Tudo isso só encontro em você.
Minha fortaleza, meu abrigo.

Só o pensar em você é o que me faz esquecer
a complexidade do mundo e a forma simples com que é decifrado.

Lembro-me apenas de seu rosto, de seu sorriso,
e de como estamos próximos e não estamos juntos.

Até que a crueldade da vida me desperte
para continuar essa existência medíocre sem você.