Páginas

segunda-feira, 12 de junho de 2006

Maricá

"Sol e Mar"
Terra calma, onde o relógio ainda não chegou.
Lugar tranqüilo, de passos sem destino.
Vento que leva pipas e bolas,
que acompanha o ritmo de infinitas pedaladas.
Cantinho grande de areia e barro.
De casas coloniais, bem feitinhas, quase que de bonecas em tamanho real.
Escondido da civilização, regulado por fases do dia.
Terra batida que levanta poeira aos passos contínuos e sinfônicos
de máquinas, bichos e gente.
Areia que viaja em ar e forma
uma poeira diferente, quase transparente que obriga horários periódicos de faxina.
Durante a noite: silêncio quase absoluto.
A uns adormece, a outros irrita,
mas ao grilo e à cigarra não causa vergonha alguma.
E a noite assim se desenrola, marcada pelas batidas do mar
que de tão perto assusta alguns ouvidos desavisados.
Lugarzinho bom de se ficar.