Páginas

sexta-feira, 5 de janeiro de 2007

A arte de ser: poeta

Não faço idéia do que seja ao certo um poeta.
Mas o imagino como uma pessoa que sonhe em poder dormir com a porta aberta,
Com a mata replantada
E com a fome enfim morta.

Acho que é o tipo de cara
Que não veste a educação manchada
Nem faz da mancha a violência
Ou a mantenha por quaisquer bons modos novos.

Deve ser aquele que ama perdidamente
Vários amores, nem que seja todos num só.
E os contorna e colore para que não os perca
Nos finos traços do grafite.

Pode ser que seja rebelde
Daqueles sem causa ou motivo.
Vivendo meio angustiado,
Descontente por isso ou aquilo.

Talvez meio solto,
Hippie de carteirinha
Sempre com o bermudão, camisa florida,
O cabelão e o caderninho no bolso.

Mas com certeza
Um alguém sem explicação
Incompreendido ou repleto de definições.
Humano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário