Páginas

terça-feira, 30 de outubro de 2007

Malabares cíclicos

Se a vida se confirma
a cada respiração
de que adianta ficar à toa
sem contribuir para a letra dessa canção?

Pra que nascer?
Se seu tempo próximo será jogado fora.
Se não viverá seus segundos.
Se vai gastá-los embaixo do sinal.

Fingindo que trabalham
deixam de brincar.
Fingindo que respiram
deixam a ingenuidade de lado.

Quem são senão o que não somos?
Restos, falhas do ideal.
Sistemas corrompidos que negam a idéia original.
Façamos o comum: fechemos os olhos e mudemos de calçada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário