Páginas

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Auto-negação

Quero uma possibilidade
Viável e que eu saiba cuidar
Porque é triste quando a única opção
É não ter nenhuma a escolher.

A certeza cruel
Que a época errada
É apenas a que se vive,
Apenas a que se é preso.

O fino gosto turvo e
Ferruginoso, garantindo que
Sua essência está se esvaindo
E seu fôlego então ficando para trás.

A vontade de querer também é turva.
Confunde-se com escolhas que têm que ser precisas,
Então a vontade vai morrendo, os sonhos bons esmorecendo.
E num instante tudo passa a formar uma visão estática, dolorosa.


Por: Felipe Cabral
Em: 20.08.2008

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Cotidiano

Momentos sem graça
Que arrancam de forma avassaladora
Toda a vontade de arriscar
E a substituem pela de ficar calado e observar.

Antes fosse a condição de espectador, apenas
A visualizar as passagens sem fim.
Sem nunca sentir as dores finas e agonizantes
Como agulhas a perfurar a alma.

Da mesma forma que um palhaço sem platéia ou espetáculo
Cuja maquiagem perdeu a serventia
E seus dias passam provando-o
Que sua existência não tem mais justificativa.

Nesse tabuleiro de regras grotescas
O tempo como mandante segue sem parar
Com sua doce obsessão em saber de que maneira acabará
Nossas formas baseadas em iludidas condições.


Por: Felipe Cabral
Em: 19.08.2008

Vida que segue

O desestimulante natural do ser humano
Talvez até o mais forte
É a falta daquilo que o afirma
Que o renova e provoca respirações tranqüilas.

Quando se sente que sua afirmação
Está tão próxima e nem sequer se consegue olhar
E ainda ter mais chance de não poder com ela ficar
Do que de fato minha vida a felicidade poder transformar.

O melhor é não saber o que quer
E mesmo se soubesse não ter certeza se seria o certo.
Andar conforme as tempestades mudam o caminho
Na vã esperança de encontrar a aurora eterna.

Aquele pote de ouro no fim do arco-íris talvez não exista
Nem de fato o próprio arco a guiar para lugar algum.
Mas nesse ponto materializa-se uma ponte entre olhares
Responsável pela certeza que a vida pode continuar


Por: Felipe Cabral
Em: 19.08.2008

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Sonho

Friozinho bom que a noite trás
No meio de calafrios e mudanças de posição
De fechar os olhos e admiração
É que o pensamento foge ao abrigo do coração.

Nesses breves momentos a escuridão se ignora
E imagens se colocando e trocando
Um filme formam nessa hora
Numa parada à perfeição de um doce momento.

Esse quadro que é pintado sem história
Em telas de realidade não vivida
Com tintas que não evaporam de sentimentos
Tomam forma os desejos abafados por atenção.

É agora nesse instante
Que o amor permanece como constante
Devido ao filme de romance sem bilheteria
Visto por um, dividido por dois.

São esses os sonhos
Que se ocupam em imaginar sua essência:
O amor e o carinho dos que sonham
Com seu alguém, de todos o especial.


Por: Felipe Gomes
Em: 05.01.2007


Antigo, mas achei fuçando outras coisas aqui, como gosto muito desse, tá aí.

sábado, 16 de agosto de 2008

Manhã de Domingo

Manhãs de domingo são tão especiais.
Tão cheias de si que se bastam
Em descanso, harmonia e imprevisibilidade.

Assumem o caráter de manual de instruções
De como de fato a vida de quem sabe aproveitar
Deve ser levada em suas dosagens.

É como o ideal de família
Com suas imperfeições e sentimentalismos,
Carregando o tempo com lembranças gostosas
Tornando-o tão material quanto a natureza possa permitir.

A felicidade, se existir,
Deve ser como uma manhã de domingo,
Como os estágios do ser humano em família
Desde filho até avô.

Ah! Se todos os dias fossem domingo
Com suas manhãs tão cheias
De seus momentos, tão certas
De que a vida está sempre começando.


Por: Felipe Cabral
Em: 16.08.2008