Páginas

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Continuidade

O tempo caminha
Linear e continuamente.
Não se preocupa com o que vinha
Nem tem o que virá em mente.

Enquanto isso vamos tentando
Nos adequar as suas regras
Inutilmente nos programando
Procurando fugir de suas rédeas.

Nós, humanos, tão patéticos,
Tão previsíveis em nossas tentativas de paz.
Fingindo um mundo ético
Sem perder de vista o vencedor ás.

Acima de tudo o contar das horas é aproveitador
Não sabe ou se preocupa, mas gosta de ver esperanças caírem.
E nós, como tolos, somos um único perdedor
Incansável em deixar essências se esvaírem.


Por: Felipe Cabral
Em: 23.09.2008

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Racionalidade

Uma vida sem sentimentos é a melhor das utopias.

Corrosão

Lembra quando era criança
E parecia que a vida era um conto de fadas?
Pois é, não tem nada a ver com isso.

É feita na verdade de gente,
Sonhos e encantos.
Cuidadosamente colocados para causar futuras frustrações.

Venho falar do inanimado
Que dura para sempre, desprogramado.
Não sente, não se importa.

A vida em ilusão era bela,
Mas aos poucos se revela
Em sua fina obsessão de transformar gente em pedra.


Por: Felipe Cabral
Em: 18.09.2008

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Manhãs chuvosas

As manhãs chuvosas são as melhores. As pessoas se apressam mais, cobrem-se mais e deixam passar a beleza que há nesse tempo. A rua parece ser só sua e o carro, como uma pequena fortaleza, vai embaçando quase que exigindo que compartilhemos com ele toda água e ventos e magia. Foi assim, hoje, em um desses momentos, que larguei toda essa frescura e por instantes deixei-me contagiar, sozinho, com esse clima e corri sem guarda-chuva, preocupação ou razão, a não ser a de sentir de novo o gosto das gotas quando tocam os lábios, o poder da água em deixar inúteis os meus óculos e o vento ao jogar meu cabelo sobre o rosto. Nesse pequeno espaço em que o tempo parou como se não fosse voltar revivi a beleza de estar vivo, senti a liberdade, esquecida, novamente. Então, em meio a esse turbilhão de sentimentos que afogaram qualquer pensamento lógico que inconscientemente veio a nascer, meu próprio tempo parou e ainda sem pensar em nada o coração acelerou, a visão, já ruim, ficou mais turva e exatamente nessa hora senti como se estivesse com você, nesse pequeno esquecimento temporal foi como se nada mais importasse, como se nada pudesse nos atingir. Foi como ter certeza que a vida poderia ter sentido novamente, talvez até enquanto ela durasse.
Aí cheguei em casa e vi que estava atrasado para a aula de Cálculo Numérico.

Sim, está bobo, feio e mau. Mas quem se importa?

sábado, 13 de setembro de 2008

Saudade

Saudade da ignorância,
Do tempo que bastava
Correr descalço subindo ladeira,
Chutando a bola para ser feliz.

Daquela recepção familiar
Que o cachorro mais queria participar.
Falta de luz que chamava por diversão
De gente real com tempo corrido.

Pena que a chuva não continuou,
Ficou tempo bastante para rir e cair doente.
O que resta é cicatriz de quando os machucados eram sem querer,
E eram os menores que mais traziam dor.

Hoje está tudo tão sem graça, a diversão tão sozinha.
As rotinas todas pré-fabricadas.
A rua é estranha agora, só usada pelo tempo necessário.
Por isso ser criança é mais fácil, menos preocupante, mais alegre.
Mais humano.


Por: Felipe Cabral
Em: 10.09.2008

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Andanças

Houve um tempo
Em que o menor caminho era o melhor.
Hoje o melhor é não passar
Por onde o controle é feito de metal e pólvora.

Existiu uma época
Em que eram abençoadas as noites de luar com estrelas cadentes.
Hoje só se vê traçantes que iluminam uma guerra
Disfarçada, escondida e absorvida em nossas vivências.

Tiveram momentos
Em que era extremamente cruel uma briga terminar em morte.
Hoje se abaixa a cabeça e se torce
Para não virar manchete no jornal sensacionalista no dia seguinte.

Ocorreram eras
Em que os conflitos eram acompanhados pela TV.
Hoje ninguém sabe por que, onde ou quando
Vai levar a próxima bala perdida.

Vive-se hoje
Um momento estranho
Onde a confiança tem que ser escassa para manter a sobrevivência,
Onde os caminhos têm que ser mudados para poder chegar respirando em casa,
Onde a noite alerta para o toque de recolher,
Onde pessoas agregaram um falso poder que garante irracionalidade,
Onde a falta de tiros constrói um dia atípico,
Onde a vida não vale mais que a menor fração da moeda de troca corrente.


Por: Felipe Cabral
Em: 05.09.2008

Raiva de tudo que tenho visto das 7:00 às 2:00 da manhã! A grande maioria das pessoas não deveriam ter sentimentos. Ao menos seriam autênticas.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Imaginação2

Os acontecimentos apenas imaginados
Por forças de sentimentos não controlados
São vida em esperança,
Morte em decepção.

Malditos momentos fabricados
De suposições gentis
Que a mente frustrada cisma em criar
Para fingir um estado aconchegante.

Se ao menos uma parcela de tais momentos
Enquadrassem-se no conjunto realidade
Meses inteiros seriam menos pálidos
E o fútil menos importante.

A única cor que ainda pinta os dias
É aquela formada pelo falso,
Ainda que criando um cenário sem brilho
É o pouco de motivação que ainda resta a impulsionar a respiração.

Por: Felipe Cabral
Em: 04.09.2008