Páginas

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Falta de cautela

Toda a fantasia de uma vida
em algumas atitudes inconsequentes.

Prisão

Aquele que se prende demais à forma
perde ou não entende
o valor da essência.

Simplicidade

A simplicidade beira a ponta dos dedos,
em seu próprio meio transpassa o nada
e toca as folhas de borradas pautas.

Satisfação exprimida

Minha escrita vem como água
em uma mangueira antes dobrada.

Agora que flui a toda pressão
escorre enquanto o registro não fecha.

Vida acadêmica

Vem, aguenta essa fase
que o tempo não é só lago,
nem lagoa ou mar calmo.

Pelo contrário, é muito rio,
correnteza, sem abrigo.
E o pior vem quando chega o oceano.

Segura essa onda
que ali depois da arrebentação
reina um pouco de tranquilidade.

Respeito

Como o comportamento animal
pode esperar respeito do (excêntrico) ser humano?

Sem resposta

Os que não são aves
acreditam ter penas.

Acreditaríamos ser pelos (outros)
se não fôssemos humanos?

Fala

Quando o grilo falante se cala
o silêncio é ensurdecedor.

Sal da terra

A claridade,
mesmo nesses tempos nublados,
suga trevas como esponja.

Ligação

Own, amor me liga.
Sim, no meio da noite, ligue,
que este cansaço todo
quer só ouvir sua voz
antes de ir embora.

Boas vindas

Bem-vindo ao mundo!
Aqui você encontrará tudo

o que há de ruim.

Um único conselho dou:
carregue dentro de si

o último punhado de bom senso.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Interrogação

O que houve rapaz,
o que houve?

O que aconteceu
com os olhos esperançosos seus?

O que houve rapaz,
o que houve?

domingo, 29 de agosto de 2010

Ilusão

Da fome vem a vontade de comer,
da necessidade de não ser vem a leitura.

Sou porque estou preso em mim
e não me saio por conformismo à cadeia.

O que afinal há do lado de fora?
Soltarei-me a vagar?

Maldição

A maldição da terra
vem das pessoas que ela leva.

Ao tempo craquelado

. À noite, uma blitz:

Um policial militar
revisa os documentos
do motorista e do carro.
No rádio uma voz quase muda,
rouca de trabalho pesado
balbucia em palavras atropeladas
que um homem sem esperança
ameaça sua queda do quarto andar.

. Durante a tarde, um filme:

Um adolescente sozinho
em um mar de gente
chama sua atenção por direito
em um ato de desespero
e, em alucinação, injeta
um pedaço de metal frio no crânio.

. Pela manhã, uma aula:

Uma mulher caminha no campo
amparada pelo mato alto apenas.
De penas os quero-queros reclamões
estão cheios e cuidam do próprio ninho.
O interesse final a esta pessoa
estará por única conta dos abutres
quando ceder o corpo ao chão.

No fim dos tempos, um dia cheio.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Felicidade

Nós, enquanto seres humanos,
estamos fadados à felicidade.

A diferença está naqueles
que se permitem ser encontrados por ela.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Nostalgia

Em antigas remotas convergências
havia uma insegurança que a alma saboreia
como o leito de um rio seco:
cataratas a lançar no vazio
uma infinidade de inexistência de água.

Engarrafamento

Engarrafamento para esse espírito
de motorista indomável
é como encabrestar
um cavalo selvagem.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Bala perdida

Uma caneta escreve
em toda tinta.

Da cor maldita armas fazem uso
além de vermelha, perdida.

Com que cor nossa história
está sendo escrita?

Utopia


Anunciado bandido
e
fardada polícia.

domingo, 22 de agosto de 2010

Alvorada inconsequente

A maturidade precoce
tem um preço.

O tempo passa
e o conhecido
perde a graça.

sábado, 21 de agosto de 2010

Faca banhada em sonhos

Soldado
traga seu rifle,
vem morrer honrado.

O que vem à frente
não é melhor.
Cedo ou tarde perecerá.

F.
traga seu rifle,
vem morrer

desalmado.

Inércia

Sento-me torto no trono de plástico:
herança dos dias que se arrastam.

Tarde

O sangue fervilha
e o coração bufa.
Alimenta os órgãos
com glóbulos envenenados.

A corrida, aparentemente infinita,
contra o tempo da morte
dá-se cíclica e desconhecida.

Um atalho o fim pega
se por um acaso a mente se desapega.

Raiva


Impressão de imersão.
Como o rio Estige a banhar minha pele.

Alimenta-me mais uma vez
com raiva indigna.
Agrego toda a sorte
de dentes trincados.

Seus, meus e um pouco de todos.

Sem a âncora da razão
navego pelo mar da cegueira.

Que se faça a imaginação!

Vírus

O objetivo é conquistado
respondendo-se a duas perguntas:

Como o sistema funciona?
E,
como burlá-lo?

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Utilidade pública

Faça justiça com as próprias mãos:
vote nulo.

Impossibilidade

Que seja garrafa nua
todo aquele que rotula.

Graças

Aqueles que recebem
qualquer livramento
(e somos todos)
deem graças.

Medo

O medo que a nada leva
corrompe os corações fracos.

Pé na frente, pontapé.
O que não se segura
cai.

Gripe

Na semana da gripe
uma novidade.

Quem diria que este organismo
se livraria dessa?

Solução

Engenheiro que sou:
44.

Indecisão

8
ou
80?

Mecanismo de racionalização

O que ao redor racionaliza
o interior não emotiva.

Domínio

O domínio sobre os animais é óbvio!

Ou você tem macacos como colegas de classe?

De que adianta

De que adianta tantos cavalos e
2.0 de motor
com ruas engarrafadas?

De que adianta tantas estradas
se na sexta-feira
não se sai do lugar?

Na falta de

Na falta de
.palavras.insólitas.
reticências.

Graduando em Engenharia Elétrica

Livros e cadernos,
rascunhos e estudos.
O que resta após 6 períodos
é falta de espaço.

No armário e na mente.

Que venha o final da graduação
e a pós.

Estarei preparado.

Livros ^^


Um pedacinho de sonho realizou-se.
Agora, que tenho o sonho,
falta-me o abrigo do tempo
para saber do que se trata.

Imaginação

Se nomeia
reduz-se:
o nada ao nada,
o tudo ao tudo.

A imaginação,
quando limitada,
reduz-se
ao rótulo.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Vai

Vem, caminha sem medo.

O que te espera
é muita queda
é muito corte.

É quase a morte.

A proteção,
que envolve,
está dentro.

Vem, caminha sem medo.

Prova

O que prova que a vida finda
é o desgosto da própria língua.

Pipa

Pipa solta
o vento leva.

Cabresto feito
dá-te controle.

Mas onde puis
tua própria linha

é onde arrebentas
tua pipa-vida.
No ano da copa
amostra grátis de férias.

Noite-dia

O dia
vira noite-dia.

O tempo
brinca comigo.
Mantém-me suspenso,
num falso abrigo.

Ao redor
está o circo,
teatro mágico
de horrores antigos.

Momentos de gelatina
hora derretem,
hora tremulam.
Espatifam-se emudecidos.

Ex

Um ex viciado,
uma ex prostituta,
um ex homossexual,
um ex presidiário,
um ex bêbado,
um ex bandido.

Um Salvador que convida
a deixar o seu "ex" de lado
seja qual for.

Para uma nova história,
nova criatura,
novo homem.

Causa

Defendo uma causa que não é minha.

Não é minha briga,
não é minha vida.

Defendo uma causa que não é minha.

Não é minha chuva,
não é minha estrela.

Defendo um causa que não é minha.

Não é meu simbolismo,
não é meu rito de passagem.

Defendo uma causa que não é minha.

Não é minha causa,
é minha sina.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Obra

O que há para ser feito
às vezes apavora.
Mas Sua obra chama
e exige vontade.

Aqui estou,
Sua força
é minha força.
Seja feita Sua vontade.

Agradecimentos

Agradeço a Ti pelo carro
e, principalmente,
por seus problemas.

Sempre a Seu tempo,
sempre no momento certo.

Mundo

Espreita, como cobra,
e se influencia, dá o bote.
O veneno, ao correr as veias,
leva apenas à perdição.

Dos dias úteis

Onde estão as feiras
das segundas às sextas?

Armas de Deus

Tome as armas de Deus,
afinal o espírito está pronto.
Usemos as armas, o espírito e o corpo.
Guerreiros de Cristo,
armados por Ele.

Tempo

A vida é como um trem,
locomotiva a vapor sem freio.

Ou você sai da frente
ou é atropelado.

Eu espero acalmar a caldeira
e pego carona.

Taxistas

Homens da rua
fazendo suas diárias sofridas
para gastá-las com suas putas,
jogos, bebidas e cigarros.
Justificam, escondidamente,
o arrasto de todas as dívidas.

Homens de coragem
enfrentam o caos urbano
dia após dia.
Enfrentam qualquer um,
usam seus carros como armas e ameaças
e meios de dever mais.

Mas têm medo de cartomantes.

13, sexta

Sexta-feira 13,
superstição no ar.

Temor e medo
irracional, inconsciente.

Mas o que esperar
dos que fazem sinal da cruz
ao passar em frente à alguma igreja?

domingo, 8 de agosto de 2010

Das dificuldades

Às vezes é difícil continuar,
mas então lembro que
tudo posso naquele que me fortalece.


Agradeço a Ti, ó Pai,
por todas as dificuldades no caminho.
Pois são nelas em que
mais Sua presença se intensifica.

Liberdade

Quem pode medir
a beleza da liberdade?
De ter a possibilidade de pensar
abertamente sobre Deus
e dEle compartilhar?

Nós, brasileiros, desperdiçamos
a oportunidade de ouro
de sermos como cristos
sem retaliações.

sábado, 7 de agosto de 2010

Do peso do mundo

Certa vez existe um Deus
que encarnou para sofrer nossas dores.

O salário do pecado é a morte,
Cristo morreu por nós
para que todo aquele que nEle crer
não pereça, mas tenha a vida eterna.

Somente Deus poderia suportar
todo o peso do mundo.
Todos os pecados da ganância humana.

Homens, quando perceberão
que só Deus pode ser Deus?

Lindo dia

Um dia lindo,
um frio que o sol não aquece.
A alegria de respirar mais uma manhã,
sentir a brisa sussurrar
e a graça de estar acordado.

Felipe, deve continuar.
Há muito em jogo,
não pode se largar por cansaço.

Ainda deve existir um resquício de força,
de vontade de prosseguir que seja.
Se portas e janelas estiverem fechadas
derrubaremos todas.

Para ver novamente a luz.

Luta diária

Busco Sua sabedoria,
obediência em querer ser como és.

Exige-me coragem
e sinto-me covarde.

Mas Sua obra em mim não se finda:
guerreiro de Cristo em treinamento.

Por toda a vida.

Ansiedade

Jogue a dedicação fora,
espalhe horas de trabalho ao vento,
regue o tempo no jardim do ócio.

Pois no momento certo o suor frio o alcança
apagando todo o resquício de memória.
Consequência da ansiedade que o devora.

domingo, 1 de agosto de 2010

Do plano

Hoje fica mais claro
o plano que tem desde o princípio.
Fez o que fez
para que as veias que tanto gosta saltem.

E fez o pior que poderia ter feito,
o melhor para dar vida
às veias tensas
que se multiplicam.

Espero apenas
que continue gostando
daquilo em que você
tem me transformado.