Páginas

domingo, 29 de agosto de 2010

Ao tempo craquelado

. À noite, uma blitz:

Um policial militar
revisa os documentos
do motorista e do carro.
No rádio uma voz quase muda,
rouca de trabalho pesado
balbucia em palavras atropeladas
que um homem sem esperança
ameaça sua queda do quarto andar.

. Durante a tarde, um filme:

Um adolescente sozinho
em um mar de gente
chama sua atenção por direito
em um ato de desespero
e, em alucinação, injeta
um pedaço de metal frio no crânio.

. Pela manhã, uma aula:

Uma mulher caminha no campo
amparada pelo mato alto apenas.
De penas os quero-queros reclamões
estão cheios e cuidam do próprio ninho.
O interesse final a esta pessoa
estará por única conta dos abutres
quando ceder o corpo ao chão.

No fim dos tempos, um dia cheio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário