Páginas

sábado, 11 de setembro de 2010

Do (não) querer

Não quero mais companhia,
qualquer que seja.
Quero o silêncio
do meu intelecto controverso.
Quero o deixa estar
da minha personalidade grossa
e sem jeito.
Deixe-me só
que ainda tenho a mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário