Páginas

domingo, 10 de outubro de 2010

Nunca será como antes

Por favor, não exija o retorno,
a antiga condição não volta mais.
Não peça que regrida no tempo
em que o limite fingia ser conhecido.

Não diga que está pior agora
porque a vida de outrora se foi.
Deu espaço a uma maturidade cruel
prevendo escapes que fogem da antiga inocência.

Sou frutos de uma árvore dinâmica
que reage ao que a ela é oferecido.
Como esperar doces polpas
em troca de amarga irrigação?

Ainda que doces, frutos mais secos,
o solo guarda aquilo que nele foi jogado.
Os gomos sempre carregarão lembranças da terra.
Azar das árvores: não se pode sair do lugar.

2 comentários:

  1. está tudo assim, tão diferente.

    té.

    bela poesia.

    ResponderExcluir
  2. Brigado mana, mas
    diferente ou como sempre passou a ser?

    Beijos mana xD

    ResponderExcluir