Páginas

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Lei natural

Na evolução dos vícios
a última droga é a morte.
Uma vez experimentada,
como deixar a dependência?

domingo, 28 de novembro de 2010

Fantástico

E na noite de domingo
o fantástico está recheado
de Michael Jackson e traficantes.

Fantástico é a falta de assunto.

Rio de Janeiro

O s que falta em Zeu
é o que sobra em Zeus.
A mitologia se confunde com a realidade
e assistimos à guerra como desfile de carnaval.
Resta saber se quando o desfile terminar
todo o lixo será recolhido.

Do dizer adeus

Nunca consegui dizer adeus,
o passado é tão forte
que às vezes impede
que novas memórias se gravem.

domingo, 21 de novembro de 2010

Manhã

Os pardais fazem uma bagunça
e não limpam
ovos nem filhotes
que caem do ninho.

HD novo

Entre dados
corrompidos e perdidos
salvaram-se todos.

Como novo ganhador da loteria
que não sabe o que fazer com tanto dinheiro,
não sei como ocupar tanto espaço.

HD

Falha que obriga gastos
e mudança de hábitos.
Ao menos dessa vez avisou.

Rio de Janeiro

Cidade alinhavada
por bordas de chamas.
Linha vermelha e amarela.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Elevador

Quando era pequeno
apertava o botão do elevador
e ele abria, depois apertava de novo
e ele subia.

Quando não subia, descia.
Tristeza foi quando soube
que não passa de uma caixa vazia.

Acampamento

A noite avança,
essa brasa já foi fogueira.
O sono bambeia nossos olhos
que lutam para eternizar esse momento.

Todos os dias deveriam ter
a fogueira da última noite.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Conclusão

Se uma folha branca é silêncio,
quero mais é barulho.

sábado, 13 de novembro de 2010

Desafio

Estou farto desta planície
sem graça e sem novidade.
Aceito o desafio criado.
É hora de escalar montanhas.

Instante

Existem ilhas
onde meu tempo aporta
com a âncora
do pouco conhecimento.

É tudo parte
de um revezamento.
Se nenhum homem é uma ilha,
com certeza é arquipélago.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Versos

Quero ler suas linhas
enquanto decifro as entrelinhas
entre vírgulas:
pausa para respirar
e admirar
a ausência do ponto final.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Sina

Coitada desta antiga caneta
sua tinta falha e só produz marcas.

Marca minha folha, já não escreve,
cicatrizes são formadas pelos veios no papel.

A ferida ainda jovem era agredida,
não conseguia, tadinha, criar casquinha.

Marca minha folha, já não escreve,
cicatrizes são formadas pelos veios no papel.

Hoje a casca é grossa, mas craquelada.
Herança do período, de agora, que ainda fere.

Marca minha folha, já não escreve,
cicatrizes são formadas pelos veios no papel.

O passado tira pedaço, lembrança que flagela
como a caneta que com tinta produzia memórias, mas

marca minha folha, já não escreve,
cicatrizes são formadas pelos veios no papel.

Citando Thiago de Mello

As ensinanças da dúvida


Tive um chão (mas já faz tempo)
todo feito de certezas
tão duras como lajedos.

Agora (o tempo é que fez)
tenho um caminho de barro
umedecido de dúvidas.

Mas nele (devagar vou)
me cresce funda a certeza
de que vale a pena o amor

domingo, 7 de novembro de 2010

Fidelidade

Acredito em Deus
e em Sua Palavra.
Mas cego não sou,
tenho meus motivos
que embasam a crença.

Por outro lado
entendo o não crer
dos demais
e me pergunto sempre:
são loucos?

Nesse mundo sem identidade
mais loucos são
os que dizem acreditar
sem honrar tal crença
esvaindo o nome de Deus.

Fracos e sem querer.
A pouca fé que afirmam ter
é falsa: não segura a vontade vã.
E o quadro é pintado
com tintas de iniquidade.

Mas Ele bem que avisou
que assim seria.
Que os verdadeiros
seriam salvos.
Se é falso já está perdido.

sábado, 6 de novembro de 2010

Zumbizar ou não Zumbizar?

"Nunca achei que se tornar zumbi seria um grande problema, já que eu espero que um zumbi fique ‘emburrecido’ e esqueça que um dia foi humano. Dessa maneira, não há porque se preocupar. Ignorância é felicidade. Se eu for zumbi e não souber que um dia fui humana e não comia carne dos meus semelhantes, acho que posso viver com isso."


Viver como zumbi
poderia ser a melhor
das vidas.

Ignorância de fato
é felicidade?

Felicidade vem
de todo esquecimento
efetivo.


Obs.: Imagem e texto retirados deste post do Olhômetro.
Obs.2: Estou numa fase agradável com relação a zumbis e similares.

Aos produtores de filmes com zumbis

Pergunta:
Por que os zumbis não se alimentam deles mesmos? o.O

Humanidade: quero uma pra viver

As pessoas como humanas já não mais existem.
A imagem e perfeição se corrompeu.

Não deveria,
mas odeio pessoas.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Noite de Halloween

halloween-8e663O silêncio se escondeu,
ficou no submundo do respeito.
Onde não há respeito
não há silêncio.
 
barulhoA noite avança em horas
enquanto estrangula meus sonhos
com cordas feitas dos barulhos
do povo que não trabalha no ponto facultativo.
 
O silêncio retornou
pegando carona com o sol.
Parece que a ressaca é mais aconchegante.
silencio 
E o dia amanheceu
mostrando restos como testemunhas
da falta de respeito de uns vagabundos.