Páginas

sábado, 10 de dezembro de 2011

Homenagem


Foi nessa Igreja em que fui convertido. Foi também aqui que fui batizado. Resumidamente, essa igreja representa para mim um plano de fundo para sonhar, e como sonhamos. Ao longo de sua história, essa igreja tem dado os sonhos necessários a todos os seus membros e o mais gratificante é que podemos testemunhar tais sonhos se tornando realidade. O resultado? 70 anos de IEC de Higienópolis.

Se há espaço para mais? Muito mais! Nesse momento gostaria de pedir para que deixemos de lado tudo aquilo que possa atrapalhar nosso crescimento, tanto individual, como em igreja. Lembremos que somos um só corpo e façamos uso de todos os membros, deixando-os à disposição de Deus para que Ele os utilize na realização de Sua obra.

Eu sou um sonhador, e tenho sentido que grandes coisas o Senhor tem preparado para nós, como igreja, para o ano que se iniciará. Abracemos Sua obra e lutemos o bom combate, para que os próximos 70 anos sejam ainda melhores no que diz respeito à Igreja Evangélica Congregacional de Higienópolis.

Texto publicado no Boletim Informativo especial de aniversário da IEC de Higienópolis.
Dia 10 de dezembro de 2011.
Felipe Cabral.

domingo, 27 de novembro de 2011

Desabafo


Como universitário convivo com todo o tipo de pessoas todos os dias. Em termos de religião então, nem se fala! Tem espaço para tudo: tenho amigos evangélicos, espíritas, adventistas, ateus... A lista segue com mais um bocado de nomes. Nunca me incomodei com essa diversidade de pensamentos, pelo contrário, sempre achei interessante e, mais do que isso, uma oportunidade de compartilhar o amor de Jesus.


Entretanto, um desses grupos tem me deixado um pouco inquieto ultimamente. Tenho observado diversas tentativas dos ateus de se auto afirmarem, mostrarem ao mundo que estão ali, que não precisam de nada nem ninguém para serem o que quiserem. Entre os ateus que eu conheço observo uma série de postagens em redes sociais e boa parte desse material é ofensivo contra os que confessam alguma fé. O que é contraditório, vindo do grupo que quer “combater o preconceito e a desinformação a respeito do ateísmo e do agnosticismo...” (ATEA - Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos).


Há algumas semanas saiu uma reportagem na Época com o título: “A dura vida dos ateus em um Brasil cada vez mais evangélico” (disponível em: http://www.genizahvirtual.com/2011/11/dura-vida-dos-ateus-em-um-brasil-cada.html) em que a jornalista procurou demonstrar a intolerância dos evangélicos acerca daqueles que escolhem não ter fé alguma, mostrando um diálogo entre a jornalista, ateia, e um taxista, evangélico. O que eu vi não foi intolerância, mas sim uma preocupação genuína do evangélico com uma pessoa nesse “estado”. 


O que mais me incomoda não é o discurso dos ateus, não é sua necessidade de auto afirmação. O que me incomoda é o fato deles não aceitarem que eu sou cristão e que sou feliz em sê-lo. E, mais que isso, que procuro disseminar minha fé sem usar outras convicções para servir de trampolim, como eles tem feito, usando a fé alheia para se afirmarem como grupo. No fim das contas os ateus têm se mostrado muito similares aos religiosos.


O meu receio é acabarmos em uma sociedade de extremos em que compartilhar a sua fé possa ser sinal de preconceito, ou de inferioridade intelectual. É por isso que tenho praticado mais o falar de Jesus com minhas ações, mostrando ao mundo o que há de diferente em mim, mostrando que eu não preciso criticar nem agredir qualquer outra religião (ou a falta dela) para compartilhar do amor de Deus em minha vida. O que mais efetivamente combate a intolerância é a tolerância.


Então vem um pedido, para que, como cristãos, possamos mostrar ao mundo que somos diferentes do mundo fazendo com que nos conheçam como “aqueles que praticam a bíblia” e não “aqueles que apenas lêem a bíblia”.


 Texto publicado no Boletim Informativo da IEC de Higienópolis.
Dia 27 de novembro de 2011.
Felipe Cabral.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Intervalo



É inútil, esse olhar ao vento,
deixando-se levar por um momento.
Mas qual é a duração de um momento?
Só alguns anos, uma vida.

Ironia


Essa falsa poesia da vida.
Toda a alegria,
uma constante hipocrisia.

O que se podia querer
desmorona
a cada aurora.

E é irônico como às vezes
o que salva é a melancolia.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Era uma vez

Vi, certa vez,
em um hospício abandonado
palavras borradas pelo tempo
ensinando como se fazer poesia.

A palavra não pode ser presa
nessa garrafa quebrada.
Flutuando na inércia
dos séculos congelados.

O único manual
que orienta uma escrita
é aquele que a lança.

Pegue qualquer tinta que manche
e coisa qualquer a ser manchada.
A combinação há de ser poesia.

Faz parte

Nada
é tão específico
a ponto de ser único.

domingo, 13 de novembro de 2011

Da proximidade do fim

Parece um balde de água gelada,
um susto, surpresa aos sonolentos.

A profecia é para aqueles
a quem o futuro pertence.

O amor (de quem mesmo?) se esfriaria,
não cabe medida a quem não tem amor.

Aos que tanto pedem por sinais,
basta olhar ao redor.

Confissões de domingo 2

D., não precisa pedir desculpas por outrem.
Eu mesmo já te desculpei diversas vezes
e você nem soube.

Confissões de domingo 1

Dentro de sua personalidade,
dentro de sua unicidade,
você é insubstituível.

sábado, 15 de outubro de 2011

Vamos fazer um filme

Hey, para você que quer saber
como é que se diz "eu te amo",
eu sei como é
esse amor de hoje em dia.

O amor de hoje é assim:
"eu te amo" e depois de um tempo,
"eu não te amo mais".
Pronto, aí está o amor
dos que não amam.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Pré JIC

Tem esse deserto
que sinto embaixo de meus pés.
E essa escuridão
que faz de todo passo
só mais um em falso.

Calor latente,
garganta seca pulsando,
marasmo que provoca arrepio.
Nada à frente, nem túnel
para abrigar a luz do fim.

{Continua...}

domingo, 11 de setembro de 2011

Praticando missões

O motorista do seu ônibus é convertido? Será que aquele seu amigo que almoça com você todos os dias já ouviu falar do amor de Cristo?

Quando se fala em missões a primeira imagem que temos é um país distante, ou uma tribo indígena, ou um lugar que não tenha nenhuma igreja. E aí a maioria das pessoas fica de mãos atadas porque não tem condições de ir, ou ajudar financeiramente quem vai.

Uma pesquisa revelou que, em média, apenas 5% dos membros das igrejas se envolvem de alguma maneira em missões. Eu prefiro imaginar que esse resultado seja porque a maioria dos membros não sabe a abrangência que o termo “missões” possui.

E como se envolver com missões?  Se você não pode ir, contribua com os que vão. Se não pode contribuir, participe e/ou promova atividades missionárias em sua igreja. E, se você não pode ir, não pode contribuir e não tem tempo para organizar atividades, ore! Crie um propósito pessoal diário para interceder por aqueles que estão no campo e pelo trabalho em sua igreja.

E, mais importante, todos somos missionários. Todos nós temos um campo missionário logo ali ao lado. Pode ser um vizinho, os amigos do trabalho, as pessoas que você encontra ao longo do dia... Infelizmente, o que não falta é gente! Se comprometa a mudar de atitude e deixar Cristo resplandecer através de você para essas pessoas.

O meu campo missionário é formado pelo meu pai, minhas avós e os amigos da faculdade. E o seu?


Texto publicado no Boletim da IEC de Higienópolis de 11.09.2011

sábado, 3 de setembro de 2011

Seleção preliminar

O sonho ainda está um pouco distante, mas já vou me preparar.
Como alguns amigos sabem, pretendo publicar um livro que deverá ser uma coletânea de algumas poesias especiais. Para isso, estou selecionando algumas delas nesse post para que já possa ir me organizando...

2005:
Só encontro em você
O tempo
Justiça
Mudanças imutáveis

2006:
Dois a dois
Inovações tradicionais
Esperança
Novos tempos
Início e fim
Agressivo furto da esperança
Eis a lua
Corpo: sem alma, sem nada
Perfeição
Não, não olhe para trás

2007:
Noite
A arte de ser: poeta
Sonho
Indefinível
Liberdade justa
Trevas de um deserto
Descrição (N. D.)
Malabares cíclicos

Bom, esse post continuará a ser editado, conforme irei selecionando os demais poemas.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Para Bira

Hoje não há luar
ou a luz das estrelas.
Está frio, e o tempo chora
a suspensão da companhia.

Oramos por você,
para que fique bem logo.
E possamos continuar a aprender
contigo a viver.

Estamos orando por você, Bira!

Melancolia II

Não sei,
não sei.

Mas o melhor poema
tem que ser triste.

A melhor ideia
deve ser agonia.

Por quê?

Porque a beleza da vida
não precisa de poesia.

Tarde de inverno

O sol se magoou
e chorou
um choro triste
e frio como a noite.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Ponto final

Hoje é segunda-feira.
Lá está ela, à espera
de quem não aparece.

E já são 7:00 horas da manhã.

E hoje é terça-feira.
Cedeu-me o lugar na fila
do ponto final do ônibus.

E já são 7:10 horas da manhã.

E hoje é quarta-feira.
Vamos que a aula começa,
às 8:00 ela não deve chegar.

E já são 7:20 horas da manhã.

E hoje é quinta-feira.
Novamente, nada dela andar.
E dessa vez aguarda a chorar.

E já são 7:30 da manhã.

E hoje já é sexta-feira.
E já não é mais aula
que ela espera...

domingo, 28 de agosto de 2011

Deus é tão bom, que abriu a porta pra você passar:
E a porta é Jesus, e a porta é Jesus...

sábado, 27 de agosto de 2011

Imprevisível

É um som de sol
banhado com luz de chuva.
Toda poeira que levanta
bate no pára-brisa
como se estivéssemos
a mais de 100km/h.

Infiltramos o ar
até pararmos onde for.
Onde você quiser,
onde a gente puder.

Marasmo

Almoço às duas,
de um sábado à tarde.
A coca-cola, outrora gelada,
ilustra a falta de gás
e o mormaço das horas.

Melancolia

Tenho sido assombrado.
Em meu armário,
muito bem guardados
estão o fantasmas.

E às vezes sou o
fantasma,
fantasma,
fantasma.
Sem vida.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Em cima da hora

A prova é domingo,
Hoje é quinta.
Conhecimento demais
Para uma aula apenas.

Tente novamente
No próximo concurso.

Destino

Uma desatenção
E se escorrega.
É como se tudo
Fosse água e sabão:
A estabilidade se foi.

Da queda, só chão.
Desorientados, narizes quebrados,
Ainda que se levante
É difícil saber para onde ir.
Afinal, para onde ir?

Fica uma pergunta:
Qual direção toda essa gente
Irá seguir?
Esqueça, essa resposta já é conhecida
Desde sempre.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Tempos modernos

Dias a fio, o tempo parece eterno.
As fases estão mudando mais rápido.

Enquanto isso os sinais estão lotados:
pedintes e camelôs. É o retrato do Brasil.

A vida é sofrida, não está fácil pra ninguém.
A dificuldade aumenta para os que querem lutar.

De olhos fechados o tempo passa mais rápido.
Só ignorando para conseguir suportar.

Quem não ignora, acostuma-se.
O pior monstro é indiferente ou não vê?

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Velas

Hoje é noite
Que não é dia.
Amanheceu
E não há sol.

Olhos abertos
Não enxergam:
A escuridão
Não se desfaz.

Não há luz.
Tateia-se a manhã
Até que a tarde
Se finde.

Não se vive.
Tudo passa
Como se fosse ontem.
Há esperança?

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Nossa, como ele escreve bem!
É, também gosto desse grafite.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

A nós

Depois das brigas,
fica a vontade,
o desejo, o futuro.

Antes e depois de tudo
sempre fica
o amor.

Nostalgia

Entre ideias e poemas
fica a saudade
da boa escrita.

Desenvolvimento

O desafio fora aceito
e agora, após aluns morros,
enfrentemos a serra.

domingo, 7 de agosto de 2011

E por falar em missões

Sabe aquele seu amigo que joga vídeo-game contigo? Que te chama pra balada, festa junina, barzinho e shopping? Chame ele para a igreja. Procure não xingar no jogo de futebol, ou quando perder no vide-game. Se houver oportunidade, compartilhe um pouco sobre o que o amor de Cristo tem feito em sua vida e sobre a diferença que faz saber que você é salvo.

Quando eu era criança, costumava comparar meu pai com os pais dos meus amigos: “Seu pai te bate? Você gosta dele? Ele conversa contigo?...” No final, todos defendiam seu pai, todo mundo queria contar vantagem de que tinha o melhor pai, às vezes até rolava briga.

Hoje, que sou filho de Deus, pergunto-me por que é tão difícil compartilhar sobre o relacionamento que tenho com meu Pai. Hoje tenho um Pai incomparável, um Pai com um amor tão grande que anseia adotar todas as pessoas que estão ao meu redor.

E aí, fica a questão: o que eu e você temos feito para que as pessoas também conheçam nosso Pai?


Escrito ao Informativo de hoje da IEC de Higienópolis

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Egoísmo

O egoísmo admitido
não leva a nada.
Que honra tem nisso?

É pior que o cego
que ao menos tem a desculpa
de não ver.

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Teste


Tenho trocado de mente como troco de roupa. De definido não tenho nada. A definição não tem objetivo ou finalidade.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Clichê


Eu,
que sou meu maior inimigo,
estou a um passo
da vitória.

Sina

A sina é a desaprovação,
e quando não,
é a maldição
de ser medíocre.

Planeta água

Os dias vêm
como ondas
a quebrar as pernas.

E o mar que formam
leva um pouco
do que sobra do corpo.

E existe um rio
que deságua nos anos
trazendo todos os planos.

As águas do tempo
egoístas:
nunca devolvem o que tragam.

sábado, 30 de abril de 2011

Pergunta

A vida vale a pena!
Vale a pena a vida?
Vale a pena.
Vale a vida.
Vale a vida?
A pena?
A vida?

Vale?

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Doçura

Todo o amor
e promessas
e frio na barriga
e sensações
e carinho
e falso abrigo
são clichês.
Como todo o tipo de violência.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Clamor do riso sóbrio

Em meio a amigos
sorri contida,
mas não com eles.

Sabemos que seu riso
é social,
que quando só: pranto.

Aprenda apenas que
mesmo a felicidade
é tímida e não se expressa.

É tudo um manto
que encobre lábios
que não se alegram.

Vejo aquela nossa violência
gratuita e sem origem
me comprimentar pelo seu olhar.

E enquanto seu riso
não sorrir
nada será como antes.

sábado, 2 de abril de 2011

Jogo

Não se preocupe comigo.
Eu já estou viciado demais
nesse corpo, nessa loucura toda.

Penso da forma que fui ensinado,
é tudo uma questão de aprendizado,
mas você tem o poder de pensar por si.

Aproveite o início do jogo
para fazer um placar confortável.
O foco é perdido no intervalo.

Assim, poderá escolher
o que fazer no último segundo:
descansar ou marcar.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Fim de carnaval

O carnaval termina
e o elevado se alinha
com o início do ano.

E enquanto passamos
ainda alheios à velha nova rotina
ouvimos a salva de palmas das árvores.

Recepção chuvosa
desse Rio que deságua
no feriado.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Comunicado

Há algum tempo criei um blog específico para a publicação de alguns estudos bíblicos que eu participava com o consentimento dos autores. Com o tempo notei que o site da igreja em que eu congrego estava muito desatualizado, então criei o blog da IEC de Higienópolis com o fim de postar as atividades que são realizadas lá sem a necessidade de pagar um servidor com domínio próprio. Com isso, decidi então usar o Estudos Cotidianos Bíblicos como um meio de propagar os estudos ministrados exclusivamente na IECH e é por essa razão que agora postarei aqui os estudos que forem ministrados por autores que não sejam membros da IECH.

Bom, é isso, para que tudo seja mais organizado os estudos aqui postados terão um marcador próprio e entrarão como citação ou recomendação no Estudos Cotidianos Bíblicos.

Espero que todos os visitantes deste blog sejam abençoados com os estudos que virão e estão todos convidados a acompanhar também o Estudos Cotidianos Bíblicos.

Um abraço a todos,
Felipe.

Da perda de tempo

Já perdi tanto tempo
     com o erro alheio.

Perdão Senhor,
     por usar meu tempo,
     o tempo que o Senhor me deu
     para me auto-flagelar pelos demais.

Oh Deus toque naqueles
     que erraram e erram contra Ti
     e me ajude a esquecer
     tanto erros quanto errados.

Fim de férias

Acordo
cedo,
sempre cedo.

Dormir demais
é perda de tempo
mesmo no tédio.

O café da manhã,
quando existe,
é ralo.

O início
do dia
sempre causa náusea.

As lembranças,
pensamentos automáticos,
consomem a falta do que fazer.

[continua...]

Aleatório

Algumas vezes,
é, apenas algumas vezes
eu me pergunto:
Por que eu?
Ou, por que comigo?

Sempre quis um viver simples,
eu quero acreditar.
O problema é que
chega o momento
em que é demais.

Droga! Os fantasmas só acumulam!
Afinal sou o único disponível
para ser aterrorizado?

E quanto tempo faz?
Mais da metade do total!
Mas a dor é a mesma.

Só espero que essa dor
ao menos cause força.
Do contrário será por demais trágico.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Perdão

Quisera houvesse um jeito
de cada um prejudicar
apenas a si mesmo.

Enquanto não há
o remorso faz suas vítimas
despedaçando vidas.

Perdição

Eis o abismo:
só poderá voar
se se jogar.

Mas esse é o abismo do mundo,
não confunda queda com voo.
A ilusão se finda no fundo.

E agora, na eterna base,
não há asas ou escape.
Ninguém pode encontrá-lo.

Garantia

Guardo minha poesia
como diamante bruto
em cada articulação.

Do que é lançado

A pedra que sai da mão,
e a palavra torta da pena,
e o xingamento da boca torpe,
e o projétil da arma ingênua,
e o remorso de seu coração.

Guardo sua boa palavra
preciosa em meu peito.
Pois já estou cansado
desse mesmo velho efeito
que tudo o que é ruim
é obrigado a causar.

Feudalismo

Que cada homem
tenha seu castelo.

Na selva de pedra
nada brota, nem alimenta.
Ser nômade
é ser pedinte.

Que cada homem
tenha seu castelo.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Os 10 mandamentos do namoro cristão

Parte 1:



Parte 2:



Parte 3:



Parte 4:



Parte 5:



Parte 6:



Parte 7:




Palestra do Pastor Josué Gonçalves.

Retirado do blog Todo dia é um dia especial!

Da sabedoria

O temor do SENHOR é o princípio da sabedoria; revelam prudência todos os que o praticam. O Seu louvor permanece para sempre.
Salmo 111: 10.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Do álcool


                Orgulhemo-nos por sermos o país com o quarto maior consumo de álcool das Américas e que seja a vergonha não ser o primeiro lugar. Somos o quarto país a achar necessário um agente amenizador de inibição para que possamos nos divertir. Sugiro que façamos a nossa vontade e paremos de agir com a hipocrisia que transporta toda nossa sociedade para a fossa. Se ser o primeiro é o desejo por que não servimos bebida alcoólica para nossas crianças de uma vez? Por que não cigarro, ou ainda, por que não encher mais e mais as passeatas para tornar lícitas as drogas proibidas? Ou o álcool deixou de ser um entorpecente?

                A falsa liberdade que os jovens demonstram com relação à bebida alcoólica é um dos motivos para a sensação de caos cada vez maior em nossos dias. Alguém dirigir bêbado e matar uma família no trânsito tem o mesmo efeito provocado por um viciado, na tentativa de roubo: morte para a satisfação da sua necessidade de droga. É o mesmo dano, são vidas inocentes perdidas para o álcool da mesma forma que perdemos vidas inocentes para as drogas.

                Eu sempre me pergunto como alguém fora de seu juízo perfeito pode decidir a melhor maneira de resolver alguma situação. Aqueles que usam o álcool como artifício para diversão são dignos somente de pena, nada mais. O álcool para o corpo humano é uma toxina, sobrecarrega o fígado, sendo capaz de alterar o comportamento comum de um indivíduo. Alcoólatras apresentam taxa de suicídio de 2 a 3,4%, algo em torno de 60 a 120 vezes maior do que entre a população geral, isso sem contar condutas auto-destrutivas ou a persistência em beber durante doenças graves.

                E por falar em conduta, não sei vocês, mas eu sempre achei que falar enrolado, demorar para elaborar o raciocínio e agir de maneira inadequada não são comportamentos esperados de pessoas adultas, que já possuem maturidade suficiente para saber como se comportar em torno de outras pessoas.

                Por fim, sou contra a ingestão de álcool, minha e de outras pessoas, da mesma forma que sou contra o consumo de tabaco e de todas as outras drogas ilícitas. Ainda que o álcool fosse por si só uma forma de suicídio, como uma injeção letal simples, seria contra porque a autodestruição nunca vem só. Ninguém é uma ilha, decisões mal feitas sempre resvalam na vida de outros. Que possamos aprender, como sociedade, a ser menos animais e mais humanos. Afinal, querer viver entorpecido não é coisa de gente.


Obs.: Inspirado nessa reportagem e para quem for conferir: ênfase para o último parágrafo.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Numb


Venha, sobre ti quero escrever
nesse bloco pautado,
falar de você, que sabe viver.

Você não precisa de bloco
ou escrita, tampouco pautas,
nem está sozinha com essas marcas.

Ainda que eu tivesse
mil poesias
dormiria.
Almejo o descanso de mim mesmo.

Ainda que você corresse
das mil loucuras
de ti escreveria
insana.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

miragem de manhã

Hoje acordei sem abrir os olhos e vi cores que ainda nem sei o nome. Andarilhei cômodos vazios de luz tateando uma escuridão tocante, à flor da pele. Uma estrada vazia, à beira de um deserto ou mar, não lembro. Som do calor da borracha correndo no asfalto misturado à espuma da coca-cola gelada escorrendo pelo copo. É tudo parte de uma certa esquizofrenia, o calor bagunça os sentidos, e com esses óculos suados já quase não se vê nada além de borrões em sépia. Talvez seja mar mesmo, com esse gosto de sal no ar, essa maresia a incomodar a pele, temperando o tato ao sol. Um respirar atrapalhado por ondas a cambalhotar corpo contribuindo ao desespero. As cores sem nome, a falta de palavras, de ar, cada um dos sentidos falha nesse mar de ilusões.

Sonhei que estava acordado.

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Poesia tosca

Não tenho medo de poemas bobos,
essas palavras que não dizem.
Não tenho medo de estrofes toscas,
qual diamante já não foi pedra fosca?
Não tenho medo de versos sem importância,
os não letrados que os julguem.
Não tenho medo de verbos simples
a simplicidade que os condene.

Interrogação

E se Deus fosse um de nós
pegando o ônibus, indo para casa
e falasse contigo, ou comigo
sobre aleatoreidades,
querendo saber como foi seu dia?

Você, ou eu, notaria?

E se um de nós fosse fundamental,
em um mundo doente,
agindo em favor Dele
como a prevenção e o remédio
dessa gente sem descanso?

Você, ou eu, notaria?

E se o milagre que tantos procuram
e tantos outros já nem acreditam
gritasse de dentro da pele
exigindo a todos a atuação necessária
para que acontecesse?

Você, ou eu, notaria?

Parágrafo

Os ambientes de meus pensamentos há muito estão poluídos. E esta é uma razão, explicação, ou apenas pretexto para uma discussão. O raciocínio flutua pelas águas mornas de uma piscina infantil, e sem ter como chegar a lugar algum dá voltas e permeia, quase o instante eterno, a urina diluída das crianças. Não passa de uma grande latrina, em que o esgoto é a corrupção dos pensamentos que fingem a inocência dos pequenos mijões.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Minha mulher

Minha mulher é assim:
às vezes cisma
com coisa pouca
e provoca briga,
mas é pura manha.

Minha mulher é assim:
carinhosa,
acalenta
pescoço e cabeça cansados
em seu colo
que anseia ser materno.

Minha mulher é assim:
um pouco de mim
e, diante de Deus,
metade será logo assim
que o compromisso
se firmar enfim.

Minha mulher é assim:
faz parte de mim.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Do atual 1

Desisto de um poema
sem graça nem importância
para uma meia verdade.
Meia porque é unica, minha.
Verdade porque é fato, que acontece.

O pai da mãe nada vale
e estraga o que dele não se aproveita.
A mãe vale por ela, ele, avó e filhos,
não sobra tempo para valer por ela mesma.
E o neto é mais filho se
se afasta da satisfação própria.

O neto quer moral para dar um basta,
mas moral é algo que se conquista.
Para ele ainda não é chegada a hora.
A mãe chora se sente não ser boa
filha, mãe ou provedora.
Acaba por ser tão boa
que estraga todos os outros.

Um jogo de interesses foi estabelecido:
cada um tira o seu
da mãe que procura se aposentar
preocupada em manter vivas
as vontades de todos,
salvo a sua própria.

Mas o fim está próximo
quando o filho se formar
e der à mãe as alegrias que merece,
quando o neto se formar
e tirar do avô a boa vida que ele usurpa.

Morte

Morte?
Não, não chego a desejar tanto.

Talvez prefira a palavra descanso.
Sim, isso sim,

desejo descanso,
dele, meu e todos em volta.

Estamos cansados dessa droga!
Estamos forte demais para isso!

Ajuda bem-vinda é a que não atrapalha,
é a que sai da frente e não reclama.

Façamos e faremos de nós a ajuda
que sempre precisamos e sempre faltou.

Obrigaremos o descanso e nos cansaremos
para que tudo fique pronto.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

De meus verões, soneto duplo

Hades observou do submundo
sua futura rainha e a raptou.
Perséfone, filha de Deméter, não teve escolha
e fez dos mortos seus súditos.

Mas um acordo a consolou,
atestado, confirmado, decretado.
Três meses por ano ela voltaria
e então Deméter a primavera faria.

A alegria ainda duraria todo um verão,
a vida dos deuses é mesmo familiar.
Meu verão não é de alegria,

foi o tempo dessa Perséfone
ir aos confins do submundo
fazer dos mortos sua companhia.

O inverno semi-perpétuo de Deméter
é meu verão, é meu outono.
É a metade do ano que morre
e vaga pelos pátios do Tártaro.

A mitologia é mais real
que muito signo e todo o zodíaco.
É presente nesse sol escaldante
que torra minha alma de olhos fechados.

E a brevidade da vida
quer dar cambalhota:
nas lembranças se repete.

Às vezes, insano, como eu queria ser um deus,
mas a fantasia disso que chamo de vida
transforma tudo em vã mitologia ... real.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Terra molhada

Cheiro de terra molhada,
mas é só um jardim
sendo molhado.

Basta

Basta um esquecimento
e algumas faltas de consideração
aliadas ao dia quente
de sono e marasmo

Para dar o tom da falta de paciência
e da sensação de um punhado
de férias desperdiçado.

Falta vontade, falta jogo de cintura.
Falta, principalmente, a habilidade

de ser sábia.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Malabares

Sou uma etapa corrida,
mero mascote da vida.
Sou parte em um fio delicado,
pedaço de teia embolado.

Almejo a pipa solta do fim de tarde
e o jogo de bola covarde.
Vontade tendenciosa em entrar
na projeção do passado a demarcar

o alvo proibido, trancado em sonho,
forçando esse futuro que decomponho
a existir. Fonte do medo de ser,

aquilo que não mais se pode conter.
Inexorável destino obriga
a me curvar frente sua fadiga.

Hipocrisia ou ironia?

Fazer
é mais fácil que
falar.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Citação

MEU SILENCIO È TAO GRITANTE
COMO A PAZ DOS OCEANOS
SEM MAZELAS PRA CONTAR
NEM FERIDAS PRA PINÇAR
SEM O RUMOR DE CRISTÃOS E MOUROS
SEGUINDO O SUAVIZAR DO TEMPO
AS BADALADAS DA MEIA NOITE
O ESCOMBRO DE UM CEMITÉRIO MALDITO
E A MAGNITUDE DO INFINITO

Texto de Anna Karenina

Read more: http://silviamota.ning.com/group/depressaoemversoeprosa#ixzz1A72zFfSt
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

Sistema pluvial

Se minha vida é uma cidade
sou a escuridão dos bueiros.

Da melancolia

Num canto escuro
de um quarto fechado
encontra-se agachado
o resultado prematuro

da melancolia muda
que deixa sob pressão
corpo e mente em sua mão
esmigalhando esta estrutura sisuda.

22:00 hrs

- Amor, acho melhor eu ir.
- Ah amor, já?! Que horas são?
- Não sei, mas já acabou House, deve ser umas 10 da noite.
- Ah, então tá bom, vamos lá para você se despedir dos meus pais.

- Já vai Felipe? Ainda é cedo.
- Que isso, já tá na hora, quanto mais tarde, mais perigoso passar pela vermelha e amarela.
- Tá bom então, vai com Deus.
- Fiquem com Deus.

Ah se um dia tiver maratona de House a noite toda! xD