Páginas

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Uma esperança


O povo é confuso
e confunde de tudo.
A realidade brota das notícias
e das novelas da tv.

A vida é levada
sem regra ou direções.
Eles fingem uma bíblia
e autorizam as próprias ações.

A fé e prática deles
nada tem a ver
com espírito ou letras sagradas.
É apenas fruto da imaginação.

Então o barco segue sem capitão,
sem leme, sem remo, sem vela.
Sacudido por tudo o tempo todo.
Que a terra firme chegue antes do casco se romper.

domingo, 24 de novembro de 2013

Interesses

São por qualquer
coisa que valha

a pena,
o tempo,
a atenção,
o mistério
ou a decepção.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Da felicidade


Ao coração mortal
a felicidade é sentimento.

Ao coração eterno
a felicidade é uma pessoa.

O cordeiro e o leão


Os homens são poeira, 
Correm atrás do vento. 
Ocupam-se das próprias vaidades
Para serem lembrados
Por outros homens mais. 
A liberdade que há
Na escravidão da vontade 
É mais maldição, 
A mais justa maldição. 

O mundo cego em fila
Para o abismo. 
Quem pode salvar o homem? 
Aquele que a si mesmo
Se jogou e voltou
Abre os olhos dos que creem. 

O sacrifício perfeito. 
O justo e o justificador. 
O cordeiro e o leão. 

sábado, 26 de outubro de 2013

sábado, 28 de setembro de 2013

Trivialidades


Uma tarde, 
Bicicleta azul,
Céu vermelho. 
Um mar de sonhos
Pintado ao fundo. 
Horizonte, infinito
Desenhado em ondas.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Das possibilidades


Há tanto lá fora.
Frutos da podre imaginação.
Homens em marcha
para a destruição.

Um povo, uma nação.
Rápida em emitir opinião.
Tudo vale para ser aceito
no vilarejo dos cegos.

O conhecimento não mais
é interessante.
E então condena-se o reto.

O mal é a ordem mundial!
Como peixes não percebem
como estão molhados.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

terça-feira, 23 de julho de 2013

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Um quarto negro,
caverna lusco fusco,
buraco na selva,
poço profundo.

Há claridade qualquer,
ou pingo de luz a escorrer?
Não há luz
ou paz.

À frente: nada.
Atrás: o mundo.
E se deve caminhar.
Não é concebível parar.

sexta-feira, 8 de março de 2013

Breviedade

Somos formigas,
areia em tempestade.
Não há como escapar
do inevitável.

Somos água
a escorrer
pelos dedos do tempo,
infiltrando a história.

Somos a história
perdida. Esquecida.
Fadada a ser contada
a quem perece.

Não há sentido
que encaixe.
Só vazio
de sustento.

O Jogo.
A tempestade.
A história.
O sentido.

O fim.

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Carnaval

Neste ano, após uma tentativa de retiro frustrada, resolvi me retirar de toda a bagunça do feriado de carnaval com minha família na região dos lagos. Ao todo foram 10 dias fora da cidade grande e, no fim, foram 10 dias de retiro espiritual.

Em números, li 5 livros:
- A Arte Expositiva de João Calvino, Steven J Lawson
- O Foco Evangélico de Charles Spurgeon, Steven J Lawson
- As Firmes Resoluções de Jonathan Edwards, Steven J Lawson
- A Poderosa Fraqueza de John Knox, Douglas Bond
- Deus é o Evangelho, John Piper

Os quatro primeiros constituem a coleção: Um Perfil de Homens Piedosos. E o último é um livro do John Piper, em que, como ele mesmo diz é: Um tratado sobre o amor de Deus como oferta de si mesmo.

Todos os livros são excelentes e merecem um lugar reservado em sua biblioteca pessoal. A série um perfil de homens piedosos chamou minha atenção pela leitura fácil e agradável, uma vez que trata-se de biografias. Ainda assim, está carregada de conclusões teológicas profundas e essencialmente bíblicas. É de se deleitar no trabalho que Deus fez na vida desses homens, resultando na reforma e em alguns avivamentos históricos.

Toda a leitura produz uma motivação muito forte em almejar o caráter de Cristo. Os autores Steven Lawson e Douglas Bond agregaram informações de caráter histórico, biográfico, espiritual e do cotidiano das figuras históricas retratadas. Recomendo muito a leitura, principalmente para quem tem um horário apertado e está desejoso de uma leitura de cabeceira agradável para os minutos antes do sono.

Em breves palavras, exponho minha opinião sobre cada obra:

A Arte Expositiva de João Calvino:
Há pouco tempo fui apresentado às doutrinas da graça, sob o apelido de Calvinismo. Até então, nada sabia sobre o que era calvinismo, conhecia algumas doutrinas, mas não os cinco pontos, nem sabia quem foi João Calvino. Ao ser apresentado, pesquisei por conta própria e desde então fui tomado pela graça de Deus nessas cinco doutrinas. Após ler esse livro, concluí que é injusto o apelido de calvinismo. Como eu previa, Calvino se limitou a expor as escrituras e explicá-las como de fato são. O calvinismo, nada mais é que doutrinas bíblicas, esquecidas por muitos anos e, então, reapresentadas por intermédio de João Calvino. É impressionante o poder que a Palavra de Deus possui, capacitando Calvino, como tantos outros homens de Deus usados para a reforma ou inseridos nos contextos dos avivamentos históricos. Recomendo a leitura e, desejo e oro que você, assim como eu, valorize ainda mais a Bíblia após testemunhar a vida de João Calvino.

O Foco Evangélico de Charles Spurgeon:
Conheci Spurgeon através desse livro. Antes apenas sabia que era um escritor que valeria a pena ser lido, sendo citado por diversos pregadores. Através dessa leitura, vemos como o chamado "Príncipe dos Pregadores" conciliou as doutrinas da graça com a livre oferta do evangelho. Spurgeon sofreu críticas tanto do lado dos hiper-calvinistas, como dos arminianos de seu tempo. Como conciliar a soberania de Deus na salvação de Seus escolhidos com a livre oferta do evangelho? Aí está um exemplo de equilíbrio bíblico. Um homem apaixonado pelo evangelho, com princípios firmes e uma mente e coração imersos na Bíblia. Finalmente, como diz a última frase do livro: "Verdadeiramente, temos necessitado de novos Spurgeons."

As Firmes Resoluções de Jonathan Edwards:
De toda a coleção, esse foi o livro que mais me cativou. O chamado à santidade que Jonathan Edwards prontamente aceitou é de nos deixar sem palavras. De origem puritana, esse pastor congregacional (!!!) tinha apenas um objetivo em mente, que traçou o restante de sua jornada: a glória de Deus. Através desse livro conhecemos o homem que, pela vontade soberana de Deus, viveu um avivamento em seu tempo tirando as mais profundas conclusões teológicas como resultado. O livro procura traçar características de Edwards ao analisar suas "Resoluções". Edwards escreveu um conjunto de resoluções (70!) que ajudaram-no a manter seu coração voltado para a glória de Deus acima de todas as coisas. Deixo as palavras do autor, Steven Lawson, sobre o objetivo desse livro: "A principal finalidade desse livro é desafiar uma nova geração de cristãos a buscar a santidade em seu cotidiano."

A Poderosa Fraqueza de John Knox:
A narração da vida de John Knox nesse livro é um pouco diferente dos outros, como era de se esperar, já que, da coleção, este é o único livro do autor Douglas Bond. Não pense, por isso, que o livro não atende às expectativas, pelo contrário, ele supera todas as expectativas. Trata-se de uma leitura agradável sobre a vida de um homem pequeno, muitas vezes doente e diversas vezes com dúvidas e medos. Esse mesmo homem foi o grande reformador da Escócia, enfrentando rainhas poderosas. Como isso foi possível? Knox era forte no espírito, força essa que vinha de sua submissão à vontade de Deus e sua preocupação com a glória de Cristo. O livro, além de ser ótimo em si mesmo, ainda nos presenteia com a Confissão de Fé Escocesa, elaborada por Knox e cinco colegas, sob a direção do Parlamento Escocês. Recomendo a leitura e sua posição cativa à biblioteca pessoal. 

Deus é o Evangelho:
O último livro, Deus é o Evangelho, surpreendeu-me do início ao fim. Não é uma leitura muito simples, mas o autor, John Piper, conseguiu simplificar muitos aspectos teológicos que normalmente são de difícil entendimento. É um livro para se debruçar em cima, extremamente preciso biblicamente, leva-nos a glorificar a Deus do início ao fim da leitura. Muitas vezes fui lembrado do que Paul Washer diz: "Você pergunta para alguém se ele quer ir para o céu. É claro que ele quer ir para o céu, ele só não quer que Deus esteja lá quando ele chegar". Em poucas páginas somos levados a ver, biblicamente, o maior bem do evangelho: o próprio Deus.

Através da leitura de Deus é o Evangelho, somos levados a ver quais são as boas-novas e, mais do que isso, porque as boas-novas são boas. Durante todo o livro a glória de Deus é revelada através de seu evangelho. Qual não foi minha surpresa ao ver que John Piper recorre diversas vezes aos escritos de Jonathan Edwards. Um livro muito bom para ser estudado, comparado com as Escrituras a cada página e guardar a mensagem final em nossos corações: Deus é o evangelho.



Finalmente, recomendo todos os livros citados. No momento, estou lendo o livro "9 marcas de uma igreja saudável" de Mark Dever, cuja leitura tem sido muito enriquecedora. Em breve, escreverei minha opinião também.

Mesmo gostando de todas as obras e recomendando a leitura, lembro que nenhuma delas substitui a centralidade da Palavra de Deus. Todas as outras obras são secundárias. Através da Bíblia temos a oportunidade de ouvir o que o próprio Deus tem a nos dizer diariamente. Não deixe que nenhuma obra substitua uma vida de leitura sistemática da Palavra de Deus.

Leia a Palavra de Deus sistematicamente e ore em todo o tempo.

Soli Deo Gloria.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Realidade

Os tempos de hoje
não são vividos,
são escolhidos.

As pessoas de hoje
não são gente,
nem sei o que são.

A realidade de hoje
não é companhia,
é quase solidão.